Execuções em Querência continuam em investigação

O motivo é uma briga de grupos criminosos rivais (facções), aponta a principal linha da investigação.

Por Ademir Zilio 01/12/2017 - 10:55 hs

O delegado de Loanda, Alisson Tinoco, informou ontem que continuam em investigação as duas execuções com arma de fogo ocorridas na madrugada de 09 de novembro em Querência do Norte. O motivo é uma briga de grupos criminosos rivais (facções), aponta a principal linha da investigação.
Embora os jovens tenham sido assassinados em locais diferentes, na mesma rua, as mortes estão relacionadas e foram cometidas pelos mesmos criminosos. A investigação continua, informa Tinoco, que prefere não adiantar detalhes para não atrapalhar o andamento dos trabalhos. 
O que se sabe é que um dos assassinados estava no regime semiaberto e usava tornozeleira eletrônica. Ele foi preso em setembro do ano passado e prestou um longo depoimento, delatando crimes e criminosos. A delação seria o motivo para as execuções.
O homem assassinado progrediu de regime em setembro deste ano, depois da condenação e o consequente direito de ficar solto, monitorado por equipamento eletrônico. 
AS MORTES - As vítimas, 22 e 23 anos, foram executadas a tiros pouco depois das três horas da madrugada do dia 09. Os crimes em sequência aconteceram na Rua São Salvador, área conhecida como Vila da Fumaça, em Querência do Norte. 
Uma das vítimas foi morta na casa de um amigo e a segunda vítima ainda tentou fugir ao ser procurada em casa. No entanto, o homem foi baleado e morto a poucos metros, num terreno baldio.
A tragédia poderia ter sido pior. Isso porque os matadores pretendiam eliminar outras duas pessoas. Numa casa chegaram a entrar, mas a possível vítima não estava. Esta versão é narrada por testemunhas em Querência do Norte.